sexta-feira, 12 de julho de 2019

Por que o público odiava tanto a Eduarda em "Por Amor"?

A reprise de "Por Amor", dirigida por Ricardo Waddington, vem fazendo um grande sucesso no "Vale a Pena Ver de Novo", na Globo, e merece. É uma das novelas mais aclamadas de Manoel Carlos. Não por acaso virou um clássico da teledramaturgia. Mas a reexibição da trama sempre levanta um questionamento até hoje inexplicável: por que o público odiava tanto a Eduarda (Gabriela Duarte) e nunca se incomodou com o Marcelo (Fábio Assunção)?


As "Helenas" do Maneco até hoje são lembradas por noveleiros apaixonados e o escritor carrega essa peculiaridade em suas obras. Mas não é a única. Outra que virou uma espécie de DNA de seus folhetins foi a insuportabilidade das filhas dessas "Helenas". Porém, ao contrário das heroínas de mesmo nome, não virou uma regra. Só que as herdeiras mais marcantes são justamente as mais mimadas e sonsas, vide Joyce (Carla Marins), em ""História de Amor", e Camila, em "Laços de Família". Embora a novela tenha sido o maior fracasso do autor, Luiza (Bruna Marquezine), de "Em Família", também entrou no time. O questionável é justamente Eduarda estar na lista.

É verdade que no início de "Por Amor" a personagem faz jus ao título e se encaixa nos demais perfis citados. A filha de Helena (Regina Duarte) é uma mimada que não tolera ser contrariada e tem um ciúme doentio de Marcelo. Grita com qualquer um que a enfrente e ainda maltrata o pai alcoólatra, Orestes (Paulo José).
Também demonstra constrangimento e incômodo quando a irmã, Sandrinha (Cecília Dassi), apenas uma criança, tenta se aproximar. Um outro fato que merece menção é a forma grosseira como reage diante da gravidez da mãe ---- chega até a acusá-la de ''concorrência".

Mas a diferença de Eduarda em relação ao comportamento intolerável de Joyce, Camila e Luiza é o amadurecimento. A menina chata vai se tornando uma mulher forte. O efeito da "evolução" da personagem fica mais evidente depois da antológica cena da troca dos bebês. Sem imaginar o que foi feito, a filha sente a dor da mãe e a acolhe com carinho e abre muitas brechas para a proximidade de "avó" e "neto". Tanto que não se incomoda com o fato do filho preferir sempre o leite de Helena e fica feliz em ver sua mãe amamentar.

A aproximação entre Eduarda e Sandrinha é linda. A maternidade promove a perda do medo de julgamentos e a personagem quebra de vez a barreira que sempre impôs em virtude do traumático passado com o pai. As duas viram grandes amigas e a relação sempre resulta em momentos delicados. O mesmo vale para  Orestes. A filha vai deixando a mágoa de lado aos poucos. A cena em que pede para o avô dar um beijo no neto é repleta de sensibilidade. Aliás, Gabriela Duarte deu um show nessa novela e realmente foi o seu melhor momento na carreira.

A personagem também passa a enfrentar Branca (Susana Vieira) de igual para igual, sem medo de cara feia. Não tolera os constantes ataques de Marcelo e não pensa duas vezes antes de defender a mãe das reclamações ofensivas da sogra e do marido --- principalmente sobre a amamentação de Marcelinho. Eduarda, inclusive, chega a ser agredida por Marcelo em uma briga. E vale lembrar a marcante cena em que a filha defende a mãe e ataca Flávia (Maria Zilda), logo depois que descobre do caso da melhor amiga de Helena com Atílio (Antônio Fagundes).

Então por qual razão Eduarda era tão odiada? Até a sua morte era exigida nos primórdios da internet no Brasil. Por que o telespectador não observou esse amadurecimento da personagem ao longo da novela? E por que nunca se incomodou com o comportamento absurdo de Marcelo, que esbanjava arrogância, agressividade e egoísmo? A resposta talvez esteja no machismo entranhado na sociedade em 1997. Era mais fácil culpar a mulher por tudo e inocentar o homem. Como a personagem realmente era mimada e histérica no início da história, provavelmente, a mudança nem foi percebida pelo público passional. Mas é difícil tecer uma explicação concreta. Será sempre na base da suposição. A verdade é que a filha de Helena nunca mereceu tanto ódio.

34 comentários:

Anônimo disse...

Seu melhor texto já escrito.

Andressa Mattos M. disse...

Que texto MARAVILHOSO! Nossa sociedade machista nojenta explica esse ódio e e não incomodo pelo Marcelo. ADOREI O QUESTIONAMENTO!!!

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Eu sempre amei a Maria Eduarda. É uma das personagens mais queridas da novela. Essa é a lembrança que guardo da primeira exibição. E é um dos melhores trabalhos da Gabriela Duarte. Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

Projetos e Obras civis disse...

Adorei o texto, a a Eduarda e uma personagem maravilhosa em todos os sentidos, mesmo com a superprotecao da mae, um marido machista e presunçoso, uma sogra insuportável, uma psicótica infernizando a vida dela, sempre foi em busca de sua dignidade e não levava desaforo pra casa, na época acho eu que era porque a sociedade era muito machista, lembro de tias minhas que achavam o Marcelo o máximo e que a Eduarda não agia como mulher casada, e que as adolescentes chipavam o Marcelo pelo jeito grosso, como eram os homens na epoca,lembro de uns tios e primos, eles ficaram irritados quando o Marcelo foi Atrás da Eduarda, diziam que não era coisa de homem, os argumentos mais absurdos, como a empregada falando que a Eduarda estava intransigente, a Lisa dizendo que trair e da natureza do homem, Leonor dizendo pra filha aceitar pois era o destino de toda mulher, a Branca dizendo que traição era prova de amor, se vê que todos os homens casados dessa novela traem, Atílio, Arnaldo, Marcelo, Nestor,E a sociedade achava que isso era normal e se a mulher reclamada, Estava fora dos padrões, personagens como Eduarda, Catarina, Sirleia, eram criticadas por não aceitar, hoje em dia, elas são aclamadas como heroínas e mulheres fortes, a sociedade muda e com ela os seus conceitos e leis de direito

Anônimo disse...

A Eduarda era uma imbecil. Como gostar???

Liliane disse...

Finalmente alguém escreveu m texto fazendo esse questionamento e tinha que ser você mesmo, Sérgio!!!!!!

Anônimo disse...

Os textos que você escreve e escreveu a respeito de "Por Amor" (1997) e suas reprises se tornam ainda mais pertinentes com o passar dos anos, pois mostram como ainda hoje algumas pessoas adotam posturas reprováveis diante das surpresas da vida. Parabéns, Sérgio.

Guilherme

Leitora disse...

Olá Sérgio! O espanto maior não é o público odiar a Eduarda o que eu nunca entendi. Ok. Que ela teve seus momentos, mas... O espanto é o amor pelo Chatelo.
Fábio Assunção de galã no auge... Ahhh despertou os sonhos de muitas e muitos também provavelmente.
Eu acho que bom naquela época a maior parte do público feminino tinha esse fetiche com o Fábio Assunção. E quem estava com ele? Por Amor foi ao ar em uma época onde as pessoas não separavam muito ficção e realidade. Tudo se misturava nas mentes como uma coisa só. Se analisarmos com afinco veremos outras mocinhas de novela massacradas enquanto seus pares são aclamados. É a fantasia que se cria na cabeça. Às fanfics da época. Pode parecer que isso que eu digo não faz o menor sentido, mas pode apostar que faz... Freud explica.
Essa questão vai muito além do sexismo.
Aliás vamos combinar uma coisa? Essa novela é chata. Eu assisti umas duas vezes. A primeira vez eu nem lembro direito. A segunda vez que eu vi que ela era chata. Trama. Personagens. Não todos. Sim a troca de bebês é icônica. A revelação é um marco. Um show de interpretação. Mas pra mim... O que a Helena fez foi errado. Compreendo que tenha sido por amor a filha. Ainda assim... E aí tem esse ponto: Esse cordão umbilical era resistente. Irritante.
Mas Eduarda é uma fadinha injustiçada.

Fernanda Mendes disse...

Eu estava esperando você comentar sobre o machismo todo que existe nessa novela,tem textos dizendo que mulher tem casar pra ter filhos, que homem escolhem as virgens pra casas, homem que bate na mulher e é normal, traição é só um deslize, mulher que não tem reação ao descobrir que o marido tem outra família.. Eu imagino polêmica que deve ter sido a Milena prq ela é ao contrário de tudo isso!

Zilani Célia disse...

OI SÉRGIO!
ESTOU REVENDO A NOVELA , NÃO MUITO ASSIDUAMENTE MAS DEU PARA ACOMPANHAR TEU RACIOCÍNIO.
ABRÇS AMIGO.
http://zilanicelia.blogspot.com.br/

Fernanda disse...

Super concordo! Por Amor é um big novelão, sem dúvidas! Mas, o machismo venceu.
Além do embuste do Marcelo, tem o fato de Wilson racista ter conseguido com que a mulher (uma negra linda), Márcia, voltasse com ele, depois de a agredir física e psicologicamente e ainda ser racista.
Ficou claro que Wilson voltou com a mulher pela filha ter nascido branca!

Quanto à Marcelo embuste: ele quem deveria ter morrido no final!
Eduarda deveria ter ficado com César e Laura ter ficado viva, criando os gêmeos d se tratando de sua obsessão por Marcelo.
Com a morte de Marcelo, Branca acabaria punida pela maldade que fez com Nando.

Lulu on the sky disse...

Eu odiava a Eduarda. Mimada, arrogante nem merecia ficar com o Marcelo. Gostava da Laura, pelo menos tinha a loucura dela pelo Marcelo e a Viviane Pasmanter deu um show.
Fiz um post no blog sobre o Giane e eu gostaria da sua opinião, depois pode dar uma olhada?
Big Beijos

Elisabete disse...

Embora não conheça a personagem, vejo que é uma análise bem feita.
Um abraço.

Anônimo disse...

História de Amor sim é um novelão maravilhoso, a melhor do Maneco, e a Joyce faz jus ao titulo de filha detestável. Por Amor é enfadonha, o plot da troca dos bebes não sustenta a novela, vários atores reclamaram dos seus personagens, principalmente o Fagundes que sempre diz nas entrevistas que fez figuração nessa novela.
E vem ai "Selva de Pedra" de 1986 no Viva, expectativa a mil por essa trama que tem uma das trilhas sonoras internacionais mais marcantes da decada de 80 e uma abertura maravilhosa, de quando a Globo sabia fazer novelas e aberturas.

Anônimo disse...

Incrível ver estas novelas e a acompanhar os comportamentos sociais. E de que evoluímos em muitos aspectos no que diz respeito à mulher.

Anônimo disse...

Um dos melhores textos seus que já li Zamenza! Incrivel! Ah,sou eu thamyrices

Anônimo disse...

As novelas são um retrato do seu tempo. Tem certas coisas que acontecia em novelas antigas que não funcionam hoje em dia. Eduarda e Marcelo não funcionariam atualmente.
Engraçado rever certas tramas (em novelas e séries) que foram aprovadas pelo publico no passado, pois analisando friamente, hoje em dia elas são absurdamente erradas.

Sérgio Santos disse...

Valeu, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Andressa.

Sérgio Santos disse...

Concordo, Fabio.

Sérgio Santos disse...

Excelente comentário, Projetos.

Sérgio Santos disse...

Não era, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Valeu, Liliane;.

Sérgio Santos disse...

Mt obrigado, Guilherme.

Sérgio Santos disse...

Eu adoro a novela, Leitora, mas a trama era mt machista.

Sérgio Santos disse...

Exato, Fernanda.

Sérgio Santos disse...

Obrigado, Zilani!

Sérgio Santos disse...

Onde assino, Fernanda?

Sérgio Santos disse...

Ok, Lulu.

Sérgio Santos disse...

Grato, Elisabete.

Sérgio Santos disse...

Achei Por Amor ótima, anonimo

Sérgio Santos disse...

Isso, anonimo.

Sérgio Santos disse...

Fico honrado, Thamyrices.

Sérgio Santos disse...

Perfeito, anonimo.