quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Após início promissor em "Segundo Sol", Rosa foi destruída por João Emanuel Carneiro

O início de "Segundo Sol" foi atrativo e parecia que João Emanuel Carneiro tinha criado um novelão dos bons. Um dos grandes destaques da trama era Rosa, uma menina que não levava desaforo para casa, interpretada brilhantemente por Letícia Colin. A personagem era um natural centro das atenções em qualquer cena que aparecia. Não demorou para a atriz virar um dos maiores destaques do folhetim e ofuscar Luzia (Giovanna Antonelli) ---- mocinha medrosa, burra e passiva ---, além de Beto Falcão (Emílio Dantas), mocinho que só teve destaque no primeiro capítulo.


A quantidade de conflitos que Rosa protagonizava enriquecia o roteiro, principalmente em virtude da complexidade do papel. Afinal, a garota virou prostituta de Laureta (Adriana Esteves) com o intuito de subir de vida e dar uma melhor condição para Nice (Kelzy Ecard), a sua sofrida mãe que era proibida de trabalhar pelo marido machista. Ela, por sinal, nunca teve medo do pai e sempre o enfrentou com deboche. Sua bonita relação com Maura (Nanda Costa) também se sobressaía, principalmente quando apoiou o relacionamento homossexual da irmã.

O romance com o marrento Ícaro (Chay Suede) era outro atrativo. A química entre os atores ficou explícita logo na primeira cena e as transas quentes dos personagens impulsionaram uma grande torcida pelo casal. Até mesmo as discussões eram interessantes, pois expunham a explosão de dois temperamentos fortes.
As brigas, inclusive, implicaram no nascimento do namoro da garota com Valentim (Danilo Mesquita). Embora tenha se afeiçoado ao rapaz, seu intuito era claramente firmar uma relação estável e bem distante daquelas idas e vindas com o capoeirista que chegou a ser garoto de programa por um tempo.

E Rosa nunca foi uma heroína. Pelo contrário, sempre teve falhas de caráter. Sua ambição, por exemplo, era seu calcanhar de Aquiles. Tanto que um dos momentos mais reveladores da personagem foi a descoberta da armação de Laureta e Karola (Deborah Secco). Chocada com a história do roubo do bebê de Luzia, a menina decidiu contar tudo o que sabia a Valentim (Danilo Mesquita). Porém, na hora agá não resistiu ao suborno da cafetina, que ofereceu sociedade no negócio ---- além do fim da vida na prostituição ---- e uma gorda mesada. Após um peso na consciência inicial, a personagem logo aproveitou a "promoção" e passou a mandar em todos os ex-colegas, virando uma mini-Laureta. Também renovou o guarda-roupa e fez questão de humilhar o pai no restaurante de Cacau (Fabíula Nascimento), se vingando do dia que foi expulsa de casa por Agenor (Roberto Bomfim) diante de toda a vizinhança.

Ou seja, como se nota, Rosa protagonizou várias sequências ótimas, enquanto Luzia e Beto eram enganados pelos demais personagens, sem empolgar quem assistia. Várias observações a respeito do crescimento da filha de Nice eram feitas na imprensa --- neste blog, inclusive ---, elogiando o desempenho irretocável de Letícia Colin e como a menina tinha virado a verdadeira protagonista da novela. Coincidência ou não, pouco tempo depois, a ex-prostituta foi se perdendo no roteiro, tendo sua importância reduzida. O início do naufrágio se deu quando Rosa engravidou de Ícaro e aceitou uma proposta estapafúrdia de Laureta. A cafetina simplesmente insistiu para sua "discípula" fingir que o bebê era de Valentim e assim garantir o futuro delas. O detalhe era que Rosa chantageava Laureta e Karola. Ao topar o plano, a personagem perdeu o trunfo que tinha e virou vítima das vilãs. A irmã de Maura tinha virtudes e defeitos, mas nunca foi burra. Não teve a menor lógica ter aceitado a "proposta" de Laureta, mesmo ouvindo que o DNA seria facilmente falsificado pela dona do prostíbulo. Afinal, bastava seguir com sua chantagem que continuaria faturando uma boa grana. Qual o intuito de entrar em uma situação que só a prejudicava? Ganhar uma mera pensão do filho de Luzia no futuro?

A partir de um contexto incoerente, Rosa perdeu a densidade e virou um perfil perdido na trama. A garota passou a se vitimizar constantemente, chorando pelos cantos e tentando dar lição de moral cada vez que presenciava alguma tramoia das suas cúmplices. Se transformou em uma chata hipócrita. Mesmo que parte do público tenha se revoltado com a chantagem que a ex-garota de programa fazia com as vilãs, foi uma ousadia válida de João Emanuel Carneiro. Ele fugiu do clichê, que seria Rosa contando toda a verdade e bancando a heroína. No entanto, toda a dubiedade da personagem foi perdida no momento em que a menina inexplicavelmente ficou idiota. As próprias recaídas com Ícaro cansaram em virtude do seu 'chororô' após as transas, se recriminando por ter sido fraca e traído Valentim. Outro contexto sem o menor sentido era a declaração amorosa que a personagem fazia ao filho de Luzia. Ela nunca o amou, mas fazia juras de amor e com a voz embargada. Aliás, Rosa passou a chorar em quase todas as cenas ---- que diminuíram bastante, vale ressaltar. Não há paciência que aguente.

É a primeira vez que um autor 'boicota' uma personagem que estava em franca ascensão. Por mais que se negue, há a cristalina impressão de favorecimento ao protagonismo de Luzia. O autor parece não aceitar que sua mocinha repetiu o fracasso de Tóia (Vanessa Giácomo) em "A Regra do Jogo". Tanto que suas tentativas de sobressaí-la são decepcionantes. Após ter passado a história toda fugindo da polícia, a mocinha foi inocentada no julgamento que revelou a verdade sobre Beto Falcão, mas acabou novamente acusada de um crime que não cometeu --- a "morte" de Remy (Vladimir Brichta), precisando mais uma vez escapar. Para culminar, sua vingança se mostrou uma piada sem graça. Seu único feito foi expor o relacionamento de Karola e Remy para todo o Brasil, acabando com a imagem de mulher digna da vilã. Pouco depois, viu seu aliado Galdino ser morto por Laureta e foi feita de idiota por uma impostora que fingiu ser sua filha. Para culminar, a polícia irá prendê-la pela terceira vez. Pode até pedir música no "Fantástico". As ditas viradas do núcleo central fazem a novela dar 10 passos para trás. E o autor vai transformar a ex-prostituta em parceria da mocinha, a redimindo dos seus erros magicamente. Isso deveria ter sido feito bem antes. Agora é tarde.

Lamentável que João Emanuel Carneiro tenha destruído um perfil tão interessante quanto Rosa. Letícia Colin tinha tudo para viver seu melhor momento na carreira, mas a Princesa Leopoldina, de "Novo Mundo" (2017), segue no posto de sua melhor personagem. Entre os muitos erros graves de "Segundo Sol", esse é um dos principais. Uma mulher que conseguia unir integridade e falha de caráter, despertando torcida e raiva, virou uma idiota que se afundou sozinha. Triste fim.

13 comentários:

Andressa Mattos M. disse...

E o que não foi destruído nessa novela?

Anônimo disse...

Esse autor precisa baixar a bolinha e voltar pro horário das sete. Depois de Avenida Brasil se achou o gênio e já vimos que de gênio não tem nada.

Daiane S disse...

Sérgio concordo que a Rosa foi destruída, entretanto discordo do motivo, não acredito que um autor iria boicotar uma personagem, ou melhor, sua própria novela em prol de outra personagem. Acontece que a Rosa descobriu o segredo da novela, e só tinham três opções: 1- ela revelar o segredo e acabar novela. 2- Ela morrer com o segredo. 3-Ela se corromper. Ele optou pela 3ª opção.E sobre o relacionamento dela com o Valentim, ele precisava manter esse relacionamento, porque com ele, a Rosa ficava inserida na trama central, próxima de Karola e Laureta, o que rendeu ótimas cenas. Vamos imaginar o seguinte que ela continuasse chantageando as duas e ficasse com o Ícaro, o que isso acrescentaria na novela além de cenas de sexo? Pra mim o maior erro do João Emanuel Carneiro foi essa gravidez, com ela, ele destruiu de vez o caráter da personagem que aceitou dá o golpe da barriga, não precisava dessa gravidez para ela continuar com o Valentim, já que o trouxa morre de amores por ela.

Anônimo disse...

Eu devo ser uma exceção que vejo a Rosa como uma pessoa ambiciosa que vai se afundando a cada dia mais, é tipo um ladrão que começa roubando dentro de casa, e daqui a pouco está assaltando um banco. Não entendi você questionar o fato dela ter aceitado dar o golpe da barriga no Valentim, sendo que você mesmo respondeu no começo do texto quando explicou o porquê ela trocou o Icaro pelo Valentim ("seu intuito era claramente firmar uma relação estável"). Se ela pensava assim antes de engravidar, imagina grávida.

Anônimo disse...

Essa novela é um mico sem fim, adorava a Rosa, quando vi que depois da Leopoldina Letícia iria fazer um papel segundário nessa novela, fiquei bem desanimado pq ela é uma atriz super talentosa e merecia algo maior, mas como tu disse, a personagem cresceu na trama e tava na cara que ela tava protagonizando a novela, ela passou a circular pelas tramas centrais, ela passou a ter importância, sempre tendo embates com as vilãs (algo que luzia jamais teve a coragem de fazer), as cenas dela com laureta eram super interessantes, diálogos ricos e bem escritos... uma pena que JEC destriu a melhor personagem da novela (ao invés de usar isso a seu favor para emplacar essa novela água de salsicha) para tentar fazer aquela anta da luzia acontecer, meu deus, que personagem chata pra p*rra, nem com essa vingança idiota ela convence, torço mais pra Laureta acabar com a raça de luzia e beto do que o contrário.

Anônimo disse...

Olá! Passando aqui para dizer que, da mesma maneira feita por mim com a novela em minha opinião mediana "Deus Salve O Rei", abandonei "Segundo Sol" a partir do capítulo de número 128. Roteirizar e conduzir telenovelas é complicado, e quando elas completam 100 capítulos no ar, há de se criar reviravoltas convincentes e sem afugentar o público e a crítica nos meses posteriores ao dia da exibição do centésimo capítulo de cada uma das obras em questão.

Cássia disse...

E nao adiantou nada boicotar a Letícia porque a trama da Luzia seguiu o mesmo lixo de sempre.

Joana Limaverde disse...

Falaram tanto de O Outro Lado do Paraíso que essa é mil vezes pior. Saudades das vinganças da Clara e não dessa trama ruim de doer.

Elisabete disse...

Uma análise séria.
Um abraço.

DiogoC disse...

Segundo Sol vai até o mês que vem, mas parece que está no ar há uma eternidade e meia. É a pior novela de João Emanuel Carneiro sem dúvida. Ele precisa sair da faixa das 21h pra se reciclar como novelista, porque se seguir nesse ritmo, é geladeira na certa. O peso de ser autor de Avenida Brasil já é suficiente.

FABIOTV disse...

Olá, tudo bem? Segundo Sol é a novela mais fraca do autor. Jamais gostei da personagem Rosa desde o início. Há uma glamourização da prostituição na trama...Abs, Fabio www.blogfabiotv.blogspot.com.br

Lucas disse...

Oi? Li direito? Criticando um de seus queridinhos? Então não é só o Manoel Carlos que escreve novela ruim na tua opinião? hehehe... teve ter t doido escrever esse texto.

Anônimo disse...

Considero o Ricardo Hofstetter pacas, pois até ele sabe das reviravoltas paradoxais pelas quais "Segundo Sol" vem passando desde o último dia 10 de setembro. Este link do site RD1 comprova o meu comentário:

https://rd1.com.br/autor-da-globo-ironiza-reviravoltas-da-reta-final-de-segundo-sol/