sábado, 27 de agosto de 2011

Fina Estampa não entusiasma e parece um déjà vu

Após o término de "Insensato Coração", estreou nessa segunda-feira, dia 22, "Fina Estampa", do sempre polêmico Aguinaldo Silva. Depois de passar muito tempo criticando seus colegas autores, o mentor da atual novela das 21 horas, passou da condição de 'pedra' para 'vidraça'.

O que vimos até agora não é nada animador. A trama central se baseia no chavão da mãe batalhadora que é humilhada pelo filho ambicioso e bonitão. A mulher em questão atende pelo nome peculiar de 'Griselda' e é interpretada pela grande Lília Cabral. Essa situação lhe parece familiar? Óbvio que sim,uma vez que é praticamente o mesmo enredo de um dos núcleos de "Morde & Assopra", onde vemos a humilde Dulce (Cássia Kiss) sendo destratada pelo filho Guilherme (Klebber Toledo). Porém,ao contrário do que Aguinaldo espalhou aos quatro cantos,Walcyr Carrasco não o copiou. Isso é tão clichê que já foi abordado em várias novelas. Maria de Fátima não fazia o mesmo com sua mãe em "Vale Tudo"? São tantas situações iguais que não vale a pena citá-las, já que se perderia muito tempo.

sábado, 20 de agosto de 2011

Término de Insensato Coração foi tão decepcionante quanto o seu início

Hj assistimos ao último capítulo de "Insensato Coração", que marcou 47 pontos de média e 70% de share,índice muito baixo para um último capítulo. A anterior, "Passione", marcou 52 pontos de média e 77% de share.

Não vimos nada de surpreendente. A assassina de Norma era mesmo a Wanda. Apesar de óbvio,acabou sendo coerente com toda a história contada e não chegou a ser decepcionante. Natália do Valle roubou a cena. Houve uma falha grave na hora em que a sequência é refeita. Norma ao invés de dizer:"Não faça uma besteira dessas", diz: "Não faça uma bobagem dessas".

O final do casal homossexual foi bacana, mas a paternidade do Kléber (Cássio Gabus Mendes), jamais poderia ter sido explorada somente no penúltimo capítulo. Se tivessem desenvolvido essa trama ao longo da novela,com certeza teríamos boas sequências entre ele e Louise Cardoso. O que acabamos vendo foi uma correria e forçação de barra com um homofóbico ferrenho que aceitou seu filho bem mais rápido do que se esperava. Claro que isso só ocorreu por causa da pressa.

Os autores simplesmente ignoraram o nervosismo de Tia Neném (que apareceu por uns 30 segundos nesse último capítulo), Eunice, Ismael e Fabíola no dia do crime. Não explicaram o porquê daquilo. O telespectador que se vire. Também não vimos a reação dos demais, a não ser Raul e Marina, ao saberem que Wanda é quem tinha matado Norma. Léo foi preso,mas não foi mostrada a reação dele ao ver o Cortez e o Ismael no mesmo presídio. Aliás,seu assassinato prometia muito mais. A cena foi corrida e sem adrenalina nenhuma. E o término do sequestro de Marina? Constrangedor. Se o objetivo era ter suspense ou ação, ficaram devendo absurdamente.

O excesso de cenas do André também irritou. Acrescentou  alguma coisa sabermos que ele não ficou impotente? As participações das ótimas Leandra Leal e Isabel Fillardis não foram valorizadas. Pedro e Marina, como sempre enjoaram bastante. Natalie teve um desfecho verossímil, observando o país em que vivemos, mas foi praticamente o mesmo da Bebel (Camila Pitanga) em "Paraíso Tropical". Criatividade passou longe. Enfim,foi um último capítulo para ser esquecido.

No geral, podemos selecionar os prós e contras de "Insensato Coração.
1)Saldos positivos: 
-Tia Neném roubou a cena e Ana Lucia Torre comprovou pela milésima vez seu talento.
-Thiago Martins  fez um Vinícius aterrorizante e Giovanna Lancelloti foi uma grata revelação.
-A trama do Cortez foi muito bem abordada e Herson Capri junto de Tainá Muller, Eduardo Galvão e Ana Beatriz Nogueira (numa curta participação) foram maravilhosos,apesar das fracas atuações do Jonatas Faro e Deborah Secco.
-Glória Pires foi esplêndida e Gabriel Braga Nunes mostrou a que veio com o psicopata Léo. Cristina Galvão merece ser lembrada.Ótima.
-A homofobia foi bem conduzida e o casal homossexual idem,apesar da censura da própria emissora.
-Bibi e Douglas agradaram.

2)Saldos negativos:
-Grandes atores tendo um destaque pífio,como: Nathalia Timberg, Norma Blum, José Augusto Branco, Bete Mendes, Rosi Campos, Louise Cardoso (embora tenha tido mais destaque na reta final) e Tarcísio Meira (só apareceu mais nos capítulos anteriores à sua morte).
-Excesso de assassinatos sem propósito. Nada contra mortes em novelas,mas desde que tenha uma razão.Morreram 25 personagens ao todo.
-Entre-e-sai de personagens que cansou e distanciou o público.
-Tramas absurdas, como o espermatozóide mutante do Pedro que vive 24 horas fora do corpo, dentro de uma camisinha numa lixeira.
-A novela demorou quase seis meses para engrenar com a vingança de Norma.
-Vingança essa que se perdeu com as constantes repetições e depois com Norma caindo novamente na lábia do Léo.
-André foi um dos personagens mais ridículos e inverossímeis da trama.
-Pedro e Marina formaram um dos casais protagonistas mais insuportáveis dos últimos tempos.


Gilberto Braga considera "Insensato Coração" a sua melhor novela, pois não teve barriga e foi repleta de cenas de ação. O que mais teve ali foi barriga. A verdade é que essa novela é a pior do autor e a parceria com o Ricardo Linhares não foi feliz, após ter rendido a interessante "Paraíso Tropical". Agora a 'bola' está com "Fina Estampa". Que venha Aguinaldo Silva!


                                                                                                                                        

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

"Spoilers" : mocinhos ou vilões?

Os "spoilers" sempre foram o terror dos autores de novelas. As tramas que se utilizam de suspenses,além do tradicional "quem matou" sempre são as mais visadas pela imprensa. É um problema que parece não ter fim, uma vez que os "vazamentos" ocorrem de dentro da própria emissora, muito provavelmente por integrantes das próprias produções envolvidas.

A questão é: as pessoas gostam de saber o que irá acontecer nas novelas? Li no blog do jornalista Maurício Stycer, que foi feito um estudo onde dois pesquisadores do departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia em San Diego, verificaram que as pessoas gostam de "spoilers" em livros. Isso chega a ser surpreendente. Não conheço ninguém que goste de saber o que vai acontecer no filme que irá ver no cinema ou sobre o final do livro que está lendo. Mas ao mesmo tempo em que há a reclamação sobre essa divulgação antecipada, é notório que todas as revistas que falam sobre novelas vendem feito água. Ou seja,há uma grande contradição, ou até mesmo incoerência. Será que tudo não se trata de uma grande hipocrisia? Ao mesmo tempo que reclamam, não perdem uma chance sequer de procurar se informar sobre o futuro da novela em questão.Confere?

O debate começou a acontecer nessas últimas semanas, onde há uma verdadeira enxurrada de notícias sobre "Insensato Coração". Gilberto Braga e Ricardo Linhares tentaram driblar a imprensa,mas de nada adiantou,como sempre.Tudo que foi divulgado está realmente acontecendo.Entendo perfeitamente a frustração dos autores. Silvio de Abreu sofreu do mesmo mal com "Passione ", só pra citar a mais recente.

Se a novela não tem nenhum tipo de suspense ou algo do tipo,não vejo nada demais na divulgação do que irá ocorrer, mas mudo totalmente de concepção quando a trama aborda exatamente isso. Os "spoilers" diminuem a audiência das produções? Não,mas que dissipam o impacto,é óbvio.

Cito como exemplo a excelente série "A Cura", exibida ano passado pela Globo e escrita pelo competente João Emanuel Carneiro. Uma das grande revelações era de que Otto (Juca de Oliveira) não era o injustiçado que todos os telespectadores achavam e sim um psicopata frio. Se isso tivesse sido divulgado antes,teríamos tido algum "choque" com essa virada da história? "A Favorita", novela do mesmo autor,também pode ser usada para exemplificar o 'mau' dos "spoilers". Se já soubéssemos desde o início que Flora era a grande vilã, as cenas que nos induziam a achar que Donatella era a pérfida, não seriam inúteis?

Bem,o debate está aberto. Você é contra ou a favor a essa divulgação antecipada de tudo o que vai ocorrer?

domingo, 14 de agosto de 2011

Amor & Sexo: entretenimento puro

O programa, apresentado pela Fernanda Lima, estreou em 2009 no dia 28 de agosto, e sempre teve como objetivo falar sobre sexo. Reagiu-se com um pouco de estranheza no instante em que a Globo começava a anunciar a novidade na sua programação.Afinal, essa temática nunca havia sido abordada com amplo destaque na emissora.

No entanto,o resultado não poderia ter sido melhor. Fernanda Lima conduziu a atração com muita competência e conseguia deixar os convidados bem à vontade diante de perguntas imensamente íntimas.

O principal quadro é o "Strip Quiz", onde dois casais se enfrentam numa disputa onde eles têm que responder  a várias perguntas sobre sexo. Se alguém da platéia discordar, a apresentadora tira uma peça de roupa de uns manequins, localizados na frente de cada participante. O jogo fica sem segundo plano,já que o objetivo é falar das intimidades dos casais.

Fernanda Lima é uma ótima apresentadora e domina o palco com maestria. Recebe o apoio do Léo Jaime e de sua banda. O músico é uma espécie de Bira (o inigualável baixista do Programa do Jô) que ao invés de rir das piadas, prefere elaborar as suas. Há um bom entrosamento entre eles.

Após algum tempo, Fernanda conseguiu se encontrar na Rede Globo. Antes de ser contratada pela emissora carioca,apresentava diversos programas na MTV, tendo o "Fica Comigo" como principal atração que a projetou. No início,quiseram transformá-la em atriz e o resultado foi um desastre.Enfrentou uma avalanche de críticas na pele da protagonista da malfadada "Bang Bang". Posteriormente ainda insistiram a colocando em "Pé na Jaca", para depois ela mesma se impor e se negar a continuar atuando. Foi a partir daí que ela entrou no lugar da Angélica e comandou o "Video Game" durante a licença-materninade da loura. O sucesso a fez apresentar o ótimo "Por Toda Minha Vida", que ainda continua sendo produzido,até ganhar o "Amor & Sexo".

A boa repercussão do programa o fez ter uma segunda temporada (10 de agosto de 2010), e depois uma terceira (07 de julho de 2011 que ainda está no ar). Tudo indica que também teremos uma quarta temporada. Nada mais justo para um programa que fala sobre um tema tão "complexo" de uma maneira simples,sem didatismos e totalmente despretensiosa.

domingo, 7 de agosto de 2011

As mulheres roubam a cena em Morde & Assopra

A atual novela do Walcyr Carrasco é um sucesso inquestionável. Após um início complicado, vemos que o período de adaptação e instabilidade já passou. A trama emplacou. Mas um fato que tem sido observado é que as mulheres têm roubado as cenas e presenteiam o telespectador com grandes interpretações.

Cássia Kiss Magro é sem dúvida o maior destaque. Não há quem não se envolva e nem se emocione com a sofrida Dulce. Suas cenas são dignas de aplausos constantes. A homenagem que ela recebeu no "Domingão do Faustão" foi mais do que merecida. Tem sido muito gratificante acompanhar a faxineira e vendedora de cocadas tentando educar novamente o filho irresponsável, além de cuidar do netinho que acabara de nascer.

Flávia Alessandra está muito bem interpretando um papel duplo e difícil. Tanto a Naomi humana quanto a robô,precisam de nuances e ela está sabendo direitinho o que fazer. Já ficou claro que a esposa de Ícaro é egoísta e interesseira, embora muita coisa ainda não tenha sido revelada. A andróide mostrou uma faceta perversa quando foi religada e Flávia soube conduzir bem essa situação.

Jandira Martini precisou se ausentar das gravações por problemas na vesícula, e após um período de repouso pós-operatório, voltou com tudo. A sovina Salomé fazia muita falta. Pode-se dizer que essa é uma das melhores personagens da atriz. Após uma participação sem a mínima importância em "Caminho das Índias" ela merecia esse presente, embora tenha tido outro bom papel em "Escrito nas Estrelas", como uma engraçada vidente e amiga da protagonista (vivida pela Nathalia Dill). As brigas entre Salomé e sua empregada, Cleonice, sempre rendem boas cenas. Vera Mancini é uma boa surpresa e faz sua estréia na televisão. Vanessa Giácomo também convence, interpretando sua primeira vilã na carreira. Celeste herdou da mãe o mau-caratismo.

Adriana Esteves está impecável e é uma das poucas protagonistas que não irrita o telespectador. Comparada com a mimada Açucena de "Cordel Encantado" e a insossa Marina de "Insensato Coração,então... Júlia é uma personagem forte e determinada que não fica choramingando pelo cantos por causa de um homem. É desse tipo de personagem central que o telespectador anda precisando.

O trio formado por Narjara Turetta, Elizabeth Savalla e Marina Ruy Barbosa, é perfeito. Protagonizaram cenas emocionantes em todas as sequências em que a patricinha Alice descobre que é filha da empregada Lílian. Savalla consegue ir da comicidade para o drama com uma rapidez admirável. Enquanto Minerva consegue ser ao mesmo tempo inescrupulosa e hilária quando elabora os planos de desviar dinheiro público com o marido,o prefeito Isaías (Ary Fontoura,sempre bem), também emociona quando tenta convencer a "filha" a voltar pra casa. Marina é uma das melhores atrizes de sua geração. Um talento mesmo. E Narjara viu sua personagem crescer ao longo da trama e está fazendo "estragos". Farei a mesma pergunta que o autor fez em seu blog: Por que a Narjara ficou tanto tempo longe da tv?

Karla Karenina já protagonizou tristes cenas, como quando Anecy soube do falecimento de sua filha (Aline Peixoto, que também nos deu belas atuações). Uma boa atriz.
Jurema Reis é uma revelação da novela. Maria João forma um casal hilariante com o Sargento Xavier (Anderson Di Rizzi), também revelado na trama e ótimo ator.
Neusa Maria Faro, apesar de aparecer pouco, provoca risos no público. A empregada Palmira sempre tem um questionamento engraçado a fazer na mansão de Ícaro. Muitos ainda se lembram dela interpretando a Divina,dona da pensão,em "Alma Gêmea". Na época, o bordão "Osvaldo,não fale assim com a mamãe!", caiu no gosto popular.

Para não cometer injustiças, há vários atores que também merecem reconhecimento e estão muito bem. Ary Fontoura, Mateus Solano, Emiliano Queiroz, Luis Melo, Paulo Goulart, Max Fercondini e Marcio Tadeu de Lima, são alguns deles.

"Morde & Assopra" tem atingido o seu principal objetivo no horário das 19 horas: entreter e divertir quem assiste. Mérito do autor que soube corrigir o que estava sendo rejeitado, dos atores, do diretor Rogério Gomes e de toda a equipe.

Links relacionados: Morde & Assopra entra nos eixos
                              Morde & Assopra tem tudo pra agradar

Insensato Coração volta para a UTI

No último texto que escrevi sobre a atual novela das nove,elogiei a guinada da trama com a vingança da Norma. Mas infelizmente a alegria não durou muito. Não completou nem quatro semanas e a novela voltou ao seu tradicional marasmo de sempre.

A trajetória da sofrida personagem interpretada magistralmente pela Glória Pires, estava sendo contada de uma forma muito interessante. Mesmo que lentamente, vimos uma mulher ingênua sendo enganada por um sujeito frio e ambicioso. Esse homem é o vilão Léo, sendo feito pelo Gabriel Braga Nunes, que embora esteja bem, não é esse ator extraordinário que muitos dizem. Após ser presa e humilhada, sua vingança era a situação mais esperada da novela.

A cena em que Norma se revela pra Léo na mansão do finado Teodoro (Tarcísio Meira), retirando o véu do rosto,foi sensacional. A partir daí vimos ótimas sequências de constantes humilhações e a derrocada do mau-caráter. Mas após umas duas semanas,a vingança já estava cansando e se repetindo. E pra culminar, vimos, recentemente, a técnica em enfermagem cair novamente na lábia do dissimulado.Alguns alegam que esse é o tal "insensato coração" do título da obra. Errado. Insesatez é sinônimo de inconsequência e não de burrice. É inexplicável que uma mulher que aprendeu a ser forte e usou de extrema frieza para chegar ao ponto em que chegou, vire novamente uma perfeita idiota. A obsessão dela pelo Léo é perfeitamente aceitável e plausível, por isso mesmo o interesse em não delatá-lo à polícia não é nada de absurdo. E querer tê-lo sempre sob seus "domínios" idem. Mas aceitar se casar,tratá-lo com "carinho" e dar dinheiro para ele fazer o que bem entender, desculpem, mas é abusar da inteligência do telespectador.

Outro ponto interessante era a prisão do Cortez (ótimo Herson Capri). O que estava sendo bom, acabou caminhando para cenas repetitivas e situações absurdas. Estava maçante vermos as mesmas sequências dele na prisão recebendo visita do advogado e da chatíssima Nathalie. A condenação do banqueiro rendeu cenas constrangedoras. A população nas ruas pedindo, e depois comemorando, a prisão de um banqueiro(!); além do Cortez ter chamado uma testemunha (Eunice-Debora Evelyn) de vagabunda e nada ter ocorrido. Mas a fuga de helicóptero, ao som de "Que país é esse?" do inigualável Renato Russo, foi uma boa cena e  claramente inspirada no traficante Escadinha que também utilizou esse recurso nada comum.

A homofobia está sendo muito bem abordada. É importante mostrar como as autoridades tratam com descaso esse tema, onde quase sempre vemos os agressores, ou assassinos, ficando impunes. Thiago Martins convence como o violento Vinícius, apesar de cometer exageros em algumas situações. Infelizmente o casal de homossexuais teve praticamente todas as cenas cortadas por imposição da emissora. Pena,já que era um dos poucos acertos dessa novela. Obviamente que a empresa sofreu pressões para interferir. Basta vermos as pesquisas realizadas que mostram que 55% da população ainda é contra esse tipo de romance.

O resto da trama não tem mais muito o que falar. Quem ainda aguenta as cenas da Carol com o André, ou dela com a irmã, ou dele com a Leila, ou de ambos sozinhos? E o casal "Lexotan" de protagonistas? Marina e Pedro continuam cada vez mais entediantes. As bobagens envolvendo a Nathalie também já se esgotaram faz tempo. Douglas e Bibi fazem sucesso, não há dúvidas, mas, convenhamos, não há nada de cômico naquelas cenas extremamente repetitivas.O Gabino e seu bar nunca tiveram nada de interessante a nos mostrar. A coitada da Nathalia Timberg não terá vez! Vitória é uma personagem sem nenhum tipo de conflito e sempre funcionou como coadjuvante de luxo. Como "Insensato Coração" vai se comportar em seus momentos finais, fica difícil de adivinhar,mas uma coisa é certa: tirando a Tia Neném e a Jandira,  interpretadas divinamente por Ana Lucia Torre e Cristina Galvão, não sobram muitos personagens interessantes...